@ " BIOGRAFIA DE ANTERO DE QUENTAL " ... ( 1842 A 1891 )

BEGIN:VCARD
VERSION:2.1
N:;CIDA ST
FN:CIDA ST
EMAIL;PREF;INTERNET:mgab_sp@uol.com.br
REV:20110731T162701Z
END:VCARD



 
 
 



 
 
 
 
 

 
 
 

ANTERO DE QUENTAL - REALISMO E NATURALISMO

 

 

 Biografia de Antero de Quental

1842 A 1891

 

 

 

 

Antero Tarqüínio de Quental nasceu em 1842 e suicidou-se em 1891. Mais do que um poeta importante de toda a literatura portuguesa e figura ímpar do final do século XIX , Antero de Quental constituiu um verdadeiro líder intelectual da geração de 70 . Homem de grande lucidez e rica vida interior , voltado para os grandes problemas filosóficos e sociais do tempo , deixou em sua obra poética as marcas de sua caminhada intelectual . A influência do Romantismo grave e reflexivo observa-se nas primeiras obras : Raios de extinta luz e Primaveras românticas . A publicação de Odes modernas assinala a adesão plena do poeta aos ideais revolucionários dos novos tempos , a que se segue , mais tarde , uma poesia marcadamente filosófica , angustiada por incertezas religiosas e metafísicas , claramente presentes em seus Sonetos . Deixou ainda inúmeras cartas e escritos filosóficos . Sobre ele assim escreveu o poeta moderno José Régio : "Os Sonetos não seriam , porém , a obra de arte que são - única na literatura portuguesa e certamente excepcional em toda a literatura - se, no seu autor , a sensibilidade não tivesse sofrido tão a fundo a inteligência como a inteligência pensou a sensibilidade . Ora a sua tragédia beleza nasce , precisamente , desse abraço , cheio de conflitos , duma inteligência superior sempre alargada pela meditação e uma sensibilidade excepcional exacerbada pela necrose . A ele deveu , porém , o poeta ser o nosso maior poeta-filósofo".

 

 

 

Características

 

Podemos identificar três fases distintas na obra de Antero de Quental . Na primeira delas ( 1859-1864 ) nota-se o predomínio de uma atitude romântica com temática religiosa . É uma poesia de entusiasmo adolescente , herança da educação paterna . Esse conteúdo é identificado em quase todos o poemas dos livros Raios de extinta luz e Primaveras românticas . Geralmente , essa fase é considerada menor na obra do artista .

 

A segunda fase ( 1864-1874 ) concentra-se em Odes modernas , poemas que representam a fase do autor e sua adesão às idéias de justiça social , igualdade e dignidade humanas . Para ele , o ato de escrever é um ato revolucionário , revelando nítida influência das idéias de Proudhon . Os poemas dessa fase refletem o drama social da segunda metade do século XIX . Deve-se notar , no entanto , que a influência religiosa não diminuiu , em sua poesia , com a perda da fé . O poeta tendeu a unir às suas tendências políticas um certo messianismo na espera da redenção libertária e socialista .

 

A terceira fase ( 1874-1885 ), mais nítida no livro Sonetos completos , revela o poeta atormentado por questões humanas , filosóficas e metafísicas , resultando uma poesia dilemática , angustiada e pessimista , envolvida com as idéias de morte e as tentativas de explicar e entender Deus . De certa forma , essa fase representa uma síntese das perturbações que ocupavam o poeta desde a juventude . Nela , Antero atinge o ponto alto de sua carreira , com um raro refinamento artístico , que une a força de reflexões filosóficas bem fundamentadas com beleza rítmica , criando frases imponentes e eloqüentes .

 

De uma forma geral , sua obra representa uma incessante busca do Ideal , isto é , a essência humana , corporificada em Deus , na Sociedade , ou no próprio Homem - dependendo das oscilações ideológicas pelas quais passou o poeta .

 

O soneto a seguir exemplifica os aspectos da obra de Antero abordados aqui : o pessimismo , a visão trágica da existência humana , o desconsolo que leva quase à inação ; formalmente , trata-se de uma obra extremamente bem acabada , pelo encadeamento natural dos versos , articulados em torno de uma idéia básica...

 

 

 

 

 

Beijos

 Cida St !!!




 
 
 

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

0 comentários:

Postar um comentário