Índios I


Índios I

 

Andava caminhando por Monterrey, norte do México, enquanto deleitava-me com a beleza, a magnanimidade e a robustez da Sierra Madre Oriental que circunda parte da cidade. Aquela cadeia de montanhas parecia um gigante muro que separava o visto do desconhecido, o cálido e infindável calor da cidade do possível frescor dos cumes da Sierra.

 

Parei um táxi que passava e fui até "chipinque", que é o nome de um dos morros da cadeia de montanhas, pois lá de cima planejava ver o sol mergulhar para o outro lado do planeta enquanto deixaria, lentamente, a escuridão assolar-se sobre o ambiente que seria, como velas incessantes, abrilhantado pelas luzes das ruas, das casas e dos edifícios citadinos.

 

Desfrutei um crepúsculo intenso e fulguroso e quando o silêncio e a tranqüilidade da noite pairavam no ar, ouvi um ruído vindo do meio do mato. De repente, um homem de meia estatura, corpo magro, musculoso e um olhar austero, mas brilhante, apareceu por sobre meu ombro esquerdo.

 

Inexplicavelmente, não me assustei, apenas olhei de volta para cidade e perguntei:

 

- Que fazes por aqui? Observando a natureza?

 

Ele, que por seus traços era possível descrever como um descendente de Índios, provavelmente, daqueles que habitam o norte do México, respondeu:

 

- Frequentemente venho a este lugar para contemplar que tudo isto - abrindo os braços até ficar com os mesmos amplamente estendidos como que sinalizando a cidade, as montanhas, as plantas, o céu, as estrelas e tudo o que uma pessoa pudesse visualizar e imaginar – incluindo a nós mesmos, é uma essência da Essência Una que se manifesta em tudo o que aqui existe.

 

Muito embora desejasse, palavras não conseguiram sair da minha boca após escutar o que ele havia falado. E assim, em silêncio permanecemos por alguns minutos até que ele se levantou e partiu tão tranqüilo e silencioso como havia chegado. Então, um brilho em forma de estrela cortou o firmamento numa linha incandescente e luminosa, como se o próprio céu estivesse também desejoso de deixar sua mensagem naquele inexprimível momento.

Finalmente, inebriado pela magia das revelações tanto verbais quanto astrais, fechei os olhos, inspirei o ar fresco da noite, fiz um augusto pedido, abri os olhos, olhei extasiado para a nova cidade que agora brilhava lá embaixo, levantei o corpo e com uma intensa gratidão regressei para o Hotel. (Tadany – 19 12 06)

 

PS: Para citar este Texto:

Cargnin dos Santos, Tadany. Índios I.  www.tadany.org®






A corrupção é primogênita da nossa passividade, minha e tua. Precisamos aceitar o nosso dever de cidadãos para mudar as nefastas realidades que assolam a nossa pátria. (Tadany)
Tudo é mental. Nada existe além de nossa Consciência. (Tadany)
A arte é o orgasmo contínuo da Inteligência. (Tadany)





--
Você recebeu essa mensagem porque está inscrito no grupo "Dividindo a Vida" dos Grupos do Google.
Para cancelar inscrição nesse grupo e parar de receber e-mails dele, envie um e-mail para dividindoavida+unsubscribe@googlegroups.com.
Para postar nesse grupo, envie um e-mail para dividindoavida@googlegroups.com.
Acesse esse grupo em https://groups.google.com/group/dividindoavida.
Para mais opções, acesse https://groups.google.com/d/optout.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

0 comentários:

Postar um comentário