O Maior Pecado Humano


O Maior Pecado Humano 


O maior pecado de uma existência humana é desperdiçá-la adormecido, cego e incapaz de observar a magia da realidade. Letárgico ao mágico néctar que existe entre a combinação da intuição e da racionalidade que, por um lado perceptivamente manifesta a divindade da essência individual e por outro estruturadamente educa o irracional e lascivo selvagem que ainda habita nossas células. Deveras um estonteante sacrilégio entorperce-se com artificiais existências, efêmeras aparências e hipócritas sapiências enquanto existe um fantástico, revelador e harmônico mundo que se abre naturalmente frente aos olhos de cada ser humano. A vida, para ser plenamente vivida, requer coragem, espontaneidade e assombro. Coragem para abandonar séculos de limitantes condicionamentos. Espontaneidade para manifestar o que é natural e imprescindível e assombro para maravilhar-se com os ciclos, as revelações, as essências, as interconexões e o amor que suavemente acontecem para que os escolhem viver a vida, ao invés de serem vividos por ela. Acordar é preciso, pois viver é natural. (Tadany – 26 03 15)


PS: Para citar este texto:

Cargnin dos Santos, Tadany. O Maior Pecado Humanowww.tadany.org®








A corrupção é primogênita da nossa passividade, minha e tua. Precisamos aceitar o nosso dever de cidadãos para mudar as nefastas realidades que assolam a nossa pátria. (Tadany)
Tudo é mental. Nada existe além de nossa Consciência. (Tadany)
A arte é o orgasmo contínuo da Inteligência. (Tadany)



--
Você recebeu essa mensagem porque está inscrito no grupo "Dividindo a Vida" dos Grupos do Google.
Para cancelar inscrição nesse grupo e parar de receber e-mails dele, envie um e-mail para dividindoavida+unsubscribe@googlegroups.com.
Para postar nesse grupo, envie um e-mail para dividindoavida@googlegroups.com.
Acesse esse grupo em https://groups.google.com/group/dividindoavida.
Para mais opções, acesse https://groups.google.com/d/optout.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

0 comentários:

Postar um comentário